3 de ago de 2008

The Muse Amusement



Quem me conhece sabe o quanto sou relutante ao Rock. Cada dia mais. Cada vez mais. Mas, sobre recomendações de amigos e da minha morena, fomos ao Porão do Rock ontem. Atrações: não lembrr todas mas, Pity (não sei escrever), o Mundo Livre, outro grupo relutante ao Rock, e a coqueluche do moment0: Muse.

Foi legal. Meu ouvido combalido de otites infantis nem reclamou tanto. Ébom ver instrumentos bem tocados. Apesar da afetação no vocal e o excesso de grave do bumbo da bateria e o show pirotécnico de luzes e de telão - quase clichês mais que manjados para empolgar - a banda de três pessoas é boa. Muito boa. É boa porque tem bons músicos, e boas composições. Bem boas mesmo. Boas harmonias, boas melodias, bons solos e um baixão honesto e seguro.

Rock never dies.... Valeu o show... e depois.. preciso ser menos velhoe aberto ao que surge de novo. sei lá .. Good Amusement!!

10 comentários:

A digestora metanóica disse...

Então vê se pára com essa resistência. E viva o rock´n roll!

Os caras são meio coadjuvantes na minha playlist, mas merecem meu respeito.

Olívia Bandeira de Melo disse...

Tio Lúcio, acredita que meu filhote é fã de rock? Sua nova mania é escutar rocks nacionais e estrangeiros no celular do Marcelo.
Mas, hoje, tivemos um diálogo interessante sobre samba.

Comecei a cantar:
- Quem não gosta de samba/Bom sujeito não é/É ruim da cabeça/Ou é doente do pé.
Antônio me interrompeu:
- Mamãe, eu não gosto de samba, mas vou com você na roda de samba.
- É, meu filho, você não gosta?
- Não, só daquela música "Mamãe eu quero/mamãe eu quero..." e daquela outra "Domingo/eu vou ao Maracanã/ vou torcer pro time que sou fã"...

Fazer o quê? Aumenta o som que isso aí é rock´n´roll!

A digestora metanóica disse...

hahahahahahahahaha
g-e-n-i-a-l!!!!

Cláudia Lamego disse...

Já pensou se Francisco fala isso pro papai e pra mamãe? E diz que acha o Chico muito chato? Ai, que medo!!!

Miragaya disse...

Eu sempre me achei uma aberração da natureza por causa do meu gosto musical. Lá em casa, samba e rock convivem numa boa na estante de CDs.

Clau, receita de pai. Renan adora Beatles hoje porque eu o ninava cantarolando músicas da banda. Só o samba mesmo que não consegui incutir (ele só gosta de samba-enredo).

Com a Giluia, também a ninei com sambas de pixiguinha e canções dos Beatles ("Goodnight" é ótima).

hoje, coloco múscicas no carro para ela apreciar. Ontem mesmo estávamos cantarolando "Yellow Submarine" enquanto eu contava um pouco sobre o desenho. De vez em quando coloco um Cartola, um Zé Kéti, um Candeia. Aí, cantarolo para chamar a atenção. Com isso, minimizo as ofensivas de High School Music, Ivete Sangalo e funk... cruzes...

Cláudia Lamego disse...

Mira, boa!
Eu, já na gravidez, converso com o Francisco. Coloco o disco pra tocar e falo: meu filho, esse é o Chico, olha como é bom. Ponho Caetano e falo: mamãe também gosta do Caetano, mas o Chico é melhor. ahahahah

Hoje, escutamos Titãs, porque mamãe também gosta de rock. E assim vou tentando educá-lo, ainda na barriga.

Miragaya disse...

Isso aí Clau! Cientistas desocupados dizem que a partir dos 3 ou 4 meses o bebê já começa a perceber sons dentro da barriga. Quanto mais cedo melhor para blindar os ouvidos do Francisco desses lixos musicais que tocam por aí...
Outra dica, essa para o Pepê também: cantarolar o hino do clube desde cedo. Giulia já sabe o hino do Flu todo e várias canções da torcida... Orgulho do pai!!! rs

Olívia Bandeira de Melo disse...

Caraca!
Vocês querem criar filhos ou programar robôs?
Já pensaram em lavagem cerebral?

Beijos,
(amo vocês)
Lili

Cláudia Lamego disse...

Mira, o Pedro de vez em quando grita, encostado na minha barriga: FOGO!!!


Lili, quero meu filho à nossa imagem e semelhança! Nada de música eletrônica e funk! ahahaha

A digestora metanóica disse...

Tô com a Lili! Vocês querem programar robôs?

Clau, meu gosto musical foi muito influenciado pelo meu pai. Eu, pequenininha, pedia a ela: "pai, bota soucaipirapirapora?". Eu adorava. Não porque ele quisesse me fazer gostar, acho que nem pensava nisso, mas era porque ele sempre fazia parecer especial o momento em que ele parava pra colocar um vinil da Elis, cantava com tanta emoção, tanta alegria, que me fazia ter vontade de compartilhar daquilo.

Betânia e Chico também marcaram minha infância. Caetano nem tanto.

Engraçado que o Roberto Carlos da minha mãe eu só passei a curtir depois...

Mas, essa emoção familiar toda não me impediu de gostar de um roquezinho.

Todo bebê gosta de música eletrônica. Na barriga, lá pro quarto mês, ele começar a quicar e a fazer tunts, tunts, tunts.