24 de jul de 2008

brincadeira com vinicius

A vida e Vinicius de Moraes foi um emaranhado de histórias que se conectam, se desmentem e se estranham. Personagens entram e saem, tronam-se protagonistas e logo depois se transformam em obscuras figurantes, num ritmo frenético. Mulheres se esbarram e disputam o mesmo coração. (...). Há um homem, chamado Vinicius de Moraes, que não consegue viver sem um grande amor.

trecho do prefácio de José Castello para sua biografia do poetinha, que começo a ler. presente de uma pessoa muito querida. vinicius meteu o pé na porta da minha vida este mês. curioso. dei um livro que eu queria ter a uma amiga, gardênia. depois ganhei o mesmo livro. tem um abismo entre a poesia e eu. este livro reunia artigos de vinicius. nao poemas. mas hoje, três relançamentos de dois dos primeiros livros do poeta me chegaram às mãos, e uma recente antologia poética, que não é a compilada pelo letrista, mas por dois poetas contemporâneos.
acho que vinicius quer me dizer alguma coisa. vou tentar passar pela rua montenegro esses dias e tomar um chopp no veloso para ver se o encontro.

6 comentários:

Gugu disse...

Engraçado, Nique, como eu me sinto assim, às vezes, em relação ao Caio Fernando Abreu. Tem momentos em que eu acredito que ele quer me dizer alguma coisa. Aí eu pego um livro dele. Em outros momentos, ele cai na minha vida inesperadamente, como agora, com o presente que o Lucas me deu. Acredito que escritores mortos escolhem pessoas, de tempos em tempos, para cultivar sua memória e plantar sementes boas.

clarinetadas disse...

Ele diz mesmo.... Sempre que passava na Rua Nascimento Silva me emocionava com a música dele e do Toquinho.

Cláudia Lamego disse...

Nique, esse livro é maravilhoso. Eu li há muitos anos, mas não era meu. Sonhava com o dia de casar com o Pedro, que tem um exemplar, para tê-lo na minha casa.

Gu, ótima essa idéia da brincadeira com os livros.

Marcelo Valle disse...

Lá em casa os livros literalmente escolhem as pessoas , a pratileira já desabou em cima de mim umas duas vezes e foi livro pra todo lado...poesias, contos, fábulas e prosas.
Certo dia, estava na cozinha preparando uma gororoba quando de repente escutei um estranho barulho vindo da sala. E, para minha supresa, encontrei o Antônio soterrado debaixo de um monte de livros, na boca , coitado, estava "O Menino Maluquinho"
Antes que eu me esqueça: Monique beba por mim!

A digestora metanóica disse...

Gu, também tenho essa sensação. Pra mim, existe uma grande diferença entre os autores que "apenas" amo e os que querem me dizer algo. Em relação aos primeiros, sinto-me amante como tantos. Mas os do outro grupo, esses sim fazem com que me sinta escolhida.

Gardênia Vargas disse...

Lindo isso! Nique, amei o presente, leio a cada dia um texto diferente, uma crônica musical. Aprendo com ele e com você, minha amiga querida de presentes lindos e interessantes :o)